Limites Temporais da Representação

Com as consequências causadas pela revolução industrial no inicio do século passado, em que surgiu o aparecimento de bens produzidos industrialmente, idênticos em toda a Europa numa primeira fase, e em todo o mundo posteriormente. A nível local há uma transformação nos usos que vão desde o trabalho no campo, até ao convívio entre as populações. No trabalho as ferramentas manuais foram substituídas por máquinas, inovando em larga escala os métodos de produção. Há o aparecimento de bens de consumo massificados, entre outros bens culturais, música de diversos cantos do mundo, e até peças de vestuário, que até só então haviam as manufaturadas na terra, passam a ser produzidas em massa, entre outros.

Nesta fase, as populações locais, veem os seus costumes desprezados. Nas romarias, onde se tocavam e dançavam as músicas tradicionais, passam a ser tocadas (em aparelhagens sonoras) e dançadas músicas que em nada têm a ver com a origem do povo.

Nas primeiras décadas do século passado brota a consciencialização que a identidade própria das localidades estava a ser esquecida, em prol de uma globalização crescente. Desta consciencialização surge o movimento folclorista em Barcelos, com concursos de trajes, rusgas tradicionais e entre outras, com o objetivo de manter vivos os usos e costumes próprios da região. Em 1953, no seio do Orfeão de Barcelinhos, nasce o Grupo Folclórico de Barcelinhos com a intenção de difundira a etnografia e o folclore da região de Barcelos, representando a época antecedente a 1900.